Sábado, 14 de Maio de 2011

(Junia Castro B. Rezende)

 

Bolonha choca, no início quase incomoda. Como prédios históricos podem ser tão descuidados? Tantas pixações, punks com cães enormes e sujos, pessoas bebendo nas praças a qualquer hora do dia. Uma cidade de vândalos, de desocupados?

Bolonha é tímida, se mostra aos poucos. Para conhecê-la é preciso de um pouco de tempo.

Bolonha é a cidade das torres, dos pórticos acolhentes, que protegem contra a chuva e contra o sol. A cidade dos ricos e dos pobres. A Igreja é sempre aberta aos  dois grupos, igreja feita metade em mármore e metade em tijolinhos, evidenciando a riqueza, a ostentação e a crise do catolicismo e de seu país-berço.

Bolonha é a cidade dos jovens de toda a itália, dos jovens de todo o mundo. Em Bolonha ninguém é de Bolonha. A cidade da diversidade e do respeito pela diversidade. Onde pode-se ser patricinha, descolado, tranquilo, hippye ou “punk a bestia” (a besta, no caso, é o cachorro) . A única regra é ser fiel ao seu próprio estilo.

Bolonha é a cidade que pertence à Universidade. Onde estão grandes nomes do grupo de notáveis da Itália e grandes nomes do futuro grupo de notáveis da Itália. Onde a filosofia é amiga da política e das artes e tenta se aproximar do direito, mas nem sempre daquilo que parece direito. É a cidade onde as aulas travam batalhas diárias com exibições de arte, manifestações, debates políticos e espetáculos. Onde a pixação não é só vandalismo, mas primordialmente, é forma de expressão.

Bolonha, "la rossa", a tradicional esquerda italiana. A cidade de vanguarda, do primeiro governo comunista eleito, do movimento anti-fascismo durante a guerra. Cidade onde todos odeiam o papi Silvio.

Bolonha, "la grassa", dos presuntos, queijos parmesões, tagliatelli al ragù e crostatas, dos cafés infindáveis. Cidade das vitrines que fazem dar água na boca. Cidade onde cozinhar é programa e comer é um evento, é um grande prazer.

Bolonha é a cidade que não dorme nunca, mas que não se esquece que está na Itália e não quer ser Nova Iorque. Não é frenética! Em Bolonha reina a calma e nada mais justificável que o atraso causado por um café. É a cidade da noite, da noite de todos. Da noite do jazz, do raggae, das boates, dos violões nas praças e dos bêbados (para os quais até o dia é noite). É a cidade dos dias de ócio no Giardinni Margherita, dos cães que correm desesperados, dos que lêem deitados na grama, dos que namoram nos bancos e dos que escrevem um texto estranho sobre a cidade que estão vivendo por um tempo.

Para conhecê-la é preciso de um pouco de tempo, para amá-la basta não sair dela. Bolonha é a moça bela conhecida em tempos de guerra. Ela sabe que será amada. Sabe que um dia será deixada, mas tem a certeza de que jamais será esquecida.



publicado por quemcontaumconto às 20:31
Com muito prazer publicamos esta bela crônica de Júnia B. Rezende. Espero que vocês, caros leitores apreciem e acompanhem a Júnia nessa visita à bela cidade italiana. Boa viagem. Ildeu
quemcontaumconto a 14 de Maio de 2011 às 21:15

Gostei muito do texto. Deu vontade de conhecer Bolonha.
Anónimo a 6 de Junho de 2011 às 16:49

Júnia,

Adorei o texto. Seu olhar crítico e atento nos proporcionou uma viagem fantástica. Visitamos as ruas, os cafés, a antiga universidade, a diversidade de pensamentos e tribos que lá se misturam e, acolhidas, formam a personalidade dessa cidade medieval. Adorei a metáfora que você usa para encerrar a narrativa. Parabéns.

Magali
Anónimo a 11 de Setembro de 2011 às 13:42

Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


pesquisar neste blog
 
Contador
blogs SAPO